Português | English

Artigos

A Virada Sustentável está chegando e, mais uma vez, a be.Living participa desse movimento tão importante que chama a atenção de todos nós para os desafios atuais com o objetivo de pensar, criar soluções e agir na direção de um modo de existência sustentável na Terra. 

Esse ano, integrando a programação oficial da Virada, abordaremos o tema da “Mudança Climática” por meio de ações envolvendo as crianças, as famílias e a comunidade.

“Escolhemos trabalhar o tema Mudança Climática porque este é um dos maiores desafios que estamos enfrentando enquanto seres humanos, desde o início da nossa história. É uma pauta urgente não somente para a nossa escola ou para nosso país, mas para o mundo todo. A be.Living é uma das 230 escolas brasileiras signatárias do movimento Escolas pelo Clima, um coletivo de escolas que assumiu o compromisso de trazer a pauta climática para a educação” – explica Livia Ribeiro, engenheira e educadora ambiental, e assessora da be.Living para questões relacionadas à sustentabilidade.

A primeira ação da be.Living na Virada será o relançamento do nosso livro de receitas “Segunda sem carne” (clique aqui para acesso ao livro). A primeira versão do livro ficará disponível para as famílias, propondo que elas testem, dentro do período de uma semana, alguma receita do livro e que nos enviem fotos do processo e do resultado. Pediremos, também, para aqueles que tiverem novas receitas, que nos enviem para que possamos acrescentá-las à uma nova versão do livro, ainda mais saborosa. A ideia é inspirar a transformação com criatividade, saúde e prazer. “Reduzir o consumo de carne é muito relevante para o enfrentamento da crise climática, principalmente no contexto vivido no Brasil. A agropecuária e a mudança de uso da terra são os principais responsáveis pelas emissões de gases de efeito estufa no nosso país¹”, afirma Livia.

Uma segunda ação será a doação de adubo líquido, oriundo da composteira da escola. As crianças vão coletar o biofertilizante na escola e levarão para as suas famílias, como um incentivo para que elas utilizem em suas casas e em seus plantios. Livia explica que o adubo líquido também se relaciona com a questão do clima. “Por meio da compostagem, reduzimos a quantidade de resíduos enviados para o aterro sanitário. Aterrar os resíduos também gera gases de efeito estufa e fazer a compostagem reduz esse impacto. Com essa atividade, queremos, também, incentivar o processo de plantio, que as pessoas usem esse adubo para plantar uma horta em casa ou plantar árvores, pois o plantio de árvores, a agricultura regenerativa, a agricultura agroecológica e a recuperação do ecossistema são, também, importantes soluções para a crise climática”.

A terceira ação será fazer da escola um ponto de coleta de resíduos especiais: eletrônicos, esponjas domésticas, instrumentos de escrita, CD’s, radiografias, lacres de alumínio, tampinhas de plástico, cadernos e apostilas usadas, e livros didáticos ou para doação. A ideia é engajar as famílias para que façam uma faxina consciente em casa e tragam esse tipo de material para a escola para que eles sejam encaminhados para locais adequados de reciclagem.

No dia 18, convidaremos as famílias para participar da oficina online “Família Lixo Zero”. Nesse encontro, abordaremos como pequenas mudanças podem trilhar um caminho para um estilo de vida mais saudável e descomplicado. Apresentaremos um pequeno guia para reduzir o desperdício em casa e para simplificar a vida: como abastecer a geladeira sem acumular embalagens, usar a composteira para dar fim aos resíduos orgânicos, fazer faxina e higiene pessoal de um jeito natural, entre outras soluções que nos reconectam com nós mesmos, com os outros e que ajudam a diminuir nossa produção de resíduos e os impactos ambientais.

Estamos vivendo um momento bem delicado do planeta e da nossa própria existência. É importante estarmos conscientes dessa realidade e buscarmos identificar as causas de tantos desequilíbrios para que possamos mudar velhos hábitos e agir em prol de nosso bem maior e mais precioso, que é a vida na Terra. 

¹Fonte: https://seeg.eco.br/